Esôfago / Estômago / Duodeno ( E.E.D.)

 

Métodos de exame:

O exame fluroscópico-radiográfico da parte proximal do intestino com uma suspensão de sulfato de bario foi padrão durante anos. O exame com um único contraste usa 180 a 300 ml de bário de densidade média ( 50% a 60 % W/V ). Administram-se pós-efervescentes junto com bário pesado ou denso ( 200 % W/V +) para fazer o exame com duplo contraste. O método de duplo contraste possibilita melhor visibilização da superfície mucosa. Isto é muito importante para detectar erosões superficiais e pequenas lesões polipóides. Alguns investigadores fazem o exame bifásico, que comporta aspectos das técnicas com contraste único e duplo. Usa-se contraste hidrossolúvel quando há suspeita da perfuração do estômago ou do duodeno. O uso de pequenas doses de glucagon para inibir temporariamente a motilidade pode ser valioso. A tomografia computadorizada e a ultra-sonografia podem revelar uma volumosa massa gástrica, porem não são os principais exames na descoberta de lesões gastroduodenais. A tomografia computadorizada é muito útil no estadiamento pré-operatório de lesões malignas.

Objetivo:

O objetivo da E.E.D. é estudar radiologicamente a forma e a função do esôfago distal, estômago e duodeno, bem como detectar condições anatômicas e funcionais anormais.
Indicações Clínicas:

Algumas indicações clínicas para o E.E.D. incluem:

- Úlceras pépticas

- Hérnia de hiato

- Gastrite aguda ou crônica

- Tumor, carcinoma benigno

- Divertículos

-Bezoares

 

Preparo do paciente:

- Jejum absoluto de 8 a 10 hs antes do exame.

- O paciente é instruído a não fumar cigarros ou mascas chicletes durante o jejum.


Metodologia:
Esôfago: paciente em ortostático. Neste exame o paciente deverá ingerir cerca de 150 ml de contraste de sulfato de bário em três fases, ou seja, 50 ml em cada fase.

- Na primeira fase, irá ingerir 50ml de contraste e realizar e incidência AP do esôfago.

- Na segunda fase, irá ingerir 50 ml de contraste e realizar a incidência oblíqua ( OA )

- Na terceira fase, irá ingerir 50 ml de contraste e realizar a incidência P ( perfil)
 

 

Estômago e duodeno: posteriormente o estudo da cárdia em ortostático, o paciente irá tomar o restante do contraste, podendo chegar até 350 ml dependendo da estrutura gástrica do indivíduo, e serão realizados estudos do fundo gástrico, pequena e grande curvatura, corpo, antro e esfíncter pilórico.O bulbo duodenal deverá ser estudado cheio e vazio até o seu segmento horizontal ascendente.

Antes que haja muito extravasamento para as alças jejunais é necessário realizar a manobra chamada valsalva, que consiste em colocar o paciente de preferência em trendelemburgs, esse respirando fundo, forçando a saída do ar sem deixá-lo sair, causando assim um esforço abdominal dando ênfase ao estudo da cárdia ( hiato esofagiano ). Esse estudo pode ser complementado solicitando que o paciente tome um gole d'água, e em trendelemburgs obtendo aquisições de imagens no momento da passagem do líquido na região cárdia e fundo gástrico. Serão realizadas apenas radiografias panorâmicas em Dec. Ventral.

O duplo contraste que consiste na ingestão de um agente anti-ácido para estudos das mucosas, bem como algumas outras manobras são sugeridas e realizadas a critério médico.
R.C. - Posicionado dinamicamente guiado pela fluoroscopia
 

Site Elaborado por: Marcelo Ortiz Ficel