Estudo Contrastado do Sistema Sistema Reprodutor Feminino

 

Sistema reprodutor e genital inclui aqueles órgãos que produzem, transportam e armazenam as células germinativas. Os testículos no homem e ovários na mulher produzem células germinativas maduras. Os órgãos de transporte e de armazenamento do homem incluem o ducto deferente, a próstata e o pênis. Outros órgãos de reprodução na mulher são as trompas uterinas, o útero e a vagina.

As melhores imagens dos órgãos genitais femininos são obtidas pela TC, RM e US. A doença em geral é facilmente identificada por seu tecido de origem, embora possa ser difícil determinar-se isto nas lesões grandes. As doenças importantes envolvem o útero, o colo uterino e os ovários. A doença infecciosa, denominada doença inflamatória pélvica, é comum mas de difícil detecção, a não ser quando está presente um abscesso bem definido. A gravidez e suas complicações são consideradas importantes em mulheres pré-menopausa. Tumores ocorrem em todos os grupos etários; eles são neoplasias ovarianas e cervicais em mulheres mais jovens e tumores endometriais nas mulheres mais idosas. Os sintomas das condições malignas pélvicas incluem dor, sangramento uterino e os efeitos por compressão ou invasão do trato urinário ou digestório.

Os fatores clínicos mais importantes na avaliação são a idade, a história menstrual, a presença ou ausência de febre e o resultado de um teste de gravidez sensível.

A RM, TC e US são os melhores métodos radiográficos para a avaliação do sistema reprodutivo feminino. Na avaliação obstétrica utiliza-se quase que exclusivamente a ultra-sonografia. A ultra-sonografia transvaginal é mais eficaz que a transabdominal para a avaliação de massas nos anexos e de gravidez inicial, por haver menos tecido para atenuar o feixe sonoro. Assim também, a resolução é melhor porque a área de interesse está mais próxima do transdutor.

Obs: o sistema reprodutor masculino será melhor estudado nos exames do sistema urinário


Histerosalpingografia

A Histerosalpingografia tem como objetivo estudar o Colo Uterino  e as Trômpas da Falópio.

 

Métodos de exame:

A paciente em decúbito dorsal, PMS sobre a L.C.M., realiza-se uma radiografia simples da região pélvica. Esta radiografia irá servir para estudo prévio da região, condições anatômicas e verificação da técnica.

Após a realização da radiografia simples, deverá ser ingetado contraste (preferencialmente lipossolúvel) por um aparelho próprio (histerômetro) que será introduzido via endovaginal no colo uterino e realizar as seguintes radiografias:

1- realizar uma radiografia em decúbito dorsal

2- realizar duas radiografias, uma de OD (oblíqua direita) e outra em OE (oblíqua esquerda).

3- realizar uma radiografia em perfil

- R.C. - perpendicular à pelve, entrando aproximadamente 5 cm abaixo da Crista Ilíaca

- Chassis- 18x24


Técnica alternativa

A paciente em decúbito dorsal, PMS sobre a L.C. M, sendo que a paciente deverá ficar em posição ginecológica, realiza-se uma radiografia simples da região pélvica.

Após a realização da radiografia simples, deverá ser injetado 10 ml de contraste lipossolúvel, por um aparelho próprio (histerômetro) que será introduzido via endovaginal no colo uterino.

1- injeta-se 3 ml de contraste e realiza-se a primeira radiografia

2- injeta-se mais 3 ml de contraste e realiza-se a segunda radiografia

3- injeta-se mais 4 ml de contraste e realiza-se a terceira radiografia

4- injeta-se 5 ml de ar e realiza-se a quarta radiografia

5- aguarda-se 5 minutos e realiza-se uma radiografia e decúbito dorsal, denominada "Prova de Cotte”.

- R.C. - perpendicular à pelve, entrando aproximadamente 5 cm abaixo da Crista Ilíaca.

-Chassis-18x24

   

 

Site elaborado por: Marcelo Ortiz Ficel